A imagem corporal na infância e adolescência

Descubra o impacto da representação mental do corpo na formação humana

A imagem corporal na infância foi o tema investigado qualitativamente na minha dissertação de mestrado, em psicologia, na linha de desenvolvimento humano e processos socioeducativos. Esse é um assunto extremamente relevante e por isso resolvi compartilhar alguns conhecimentos com vocês, que são bastante válidos aos profissionais da Educação, Psicologia, às famílias e à sociedade como um todo.

Assista o vídeo sobre o tema ou leia o texto abaixo:

Dimensões e contexto da imagem corporal

A imagem corporal é a representação mental do corpo (Cash e Smolak, 2011), que compreende duas principais dimensões:

Perceptiva: relacionada à acurácia do sujeito ao perceber as proporções, os tamanhos do próprio corpo.

Atitudinal: referente às crenças, aos pensamentos e afetos com o corpo.

Evidências apontam que, apesar dos transtornos psicopatológicos ligados à imagem corporal desencadearem, em sua maioria, na adolescência, é na infância que surgem os pensamentos e comportamentos relacionados ao autoconceito e às atitudes corporais (Ferreira et al., 2014)), sejam eles positivos ou negativos. Por esse motivo, foquei minha pesquisa, orientada pela pós-doutora Maria Elisa Caputo Ferreira, em instituições escolares, nas turmas com crianças na faixa etária de 6 a 8 anos de idade.

Imagem corporal na infância e adolescênciaRessalta-se que estudos trazem à tona que os principais fatores socioculturais: família, amigos e mídia, influenciam na vida cotidiana do sujeito e impactam em como ele lida com esse corpo (Campana e Tavares, 2009).

Podemos observar nos brinquedos das crianças o quanto já são musculosos os bonecos/heróis e o quanto as bonecas estão cada vez com as silhuetas mais magras, seios salientes e com cabelos mais lisos e compridos. Tais objetos já tendem a transmitir, portanto, um estereotipado ideal de corpo. A partir dessas e de outras influências, as crianças crescem com um padrão muitas vezes inatingível de beleza.

Estudo sobre a imagem corporal na infância

O objetivo do estudo foi, portanto, identificar o impacto da influência dos fatores socioculturais, os quais mencionei anteriormente. Foram mediados 8 grupos focais com as crianças, os quais contavam com 12 participantes, para que todos pudessem interagir melhor e se sentirem mais à vontade em seus discursos. Os dados foram transcritos das filmagens e analisados seguindo a análise de conteúdo de Bardin (2010).

Roteiros semiestruturados, brinquedos infantis, desenhos e imagens foram utilizados para facilitar a organização e condução dos encontros, que contaram com uma moderadora, uma observadora e uma assistente. Através de termos que se repetiam nos grupos, foram categorizados os principais temas e variáveis que apareceram durante a pesquisa. O projeto foi submetido previamente para aprovação ao comitê de ética da UFJF e, inclusive, premiado com menção honrosa, pela Pró-reitoria de pós-graduação e pesquisa da Universidade Federal de Juiz de Fora, pelo reconhecimento da relevância da temática.

Cursos de pós-graduação e extensão em Educação

Resultados:

Os resultados da pesquisa foram preocupantes, pois as crianças apresentaram considerável insatisfação com a própria aparência, revelando um estereótipo internalizado de corpo ideal. Os participantes disseram, por exemplo, que para serem bonitos ou bonitas “ os meninos têm que ser fortes”, “as meninas têm que ser magras”, “que a barriga tem que ser tanquinho” e “os cabelos lisos e compridos”. Falaram até que “a cor da pele incomodava e que se pudessem mudariam os cabelos”.

Imagem corporal na infância

Dietas, idolatria aos corpos de famosos ou amigos, cirurgias e outros assuntos polêmicos emergiram dos grupos, o que nos deixou surpresos por serem crianças em tenra idade.

Tais informações realmente corroboraram a evidência de que comportamentos e atitudes relacionados à imagem corporal surgem desde a infância e na adolescência podem desencadear transtornos psicopatológicos, como anorexia, bulimia e depressão. Nesta perspectiva, o autoconceito e a autoestima podem ficar comprometidos, caso não haja um trabalho psicopedagógico de qualidade nas escolas e com as famílias.

A continuidade dos estudos e os esforços para a superação desse problema, com foco na promoção da saúde, são importantes, pois no Brasil temos poucas evidências específicas sobre o tema na infância, assim como restrito número de instrumentos válidos para serem aplicados na população. Destaco o trabalho da doutora aluna Clara Mockdece, que na continuidade desta pesquisa elaborou, junto a uma comissão de peritos da qual fiz parte, uma escala para avaliar a imagem corporal na infância, contribuindo para avanços nesse cenário.

Combatendo o problema em casa

Percebe-se o quanto esse tema é importante na sociedade, principalmente no contexto escolar. Entretanto, a família é a primeira e contínua instituição de convívio social na vida dos indivíduos, que influenciam esta e por ela são influenciadas. Comentários do tipo “tem que comer para o cabelo crescer e pra ficar forte igual o Hulk”, por exemplo, são brincadeiras, mas que inconscientemente podem reforçar um ideal de corpo. Dietas radicais dos adultos e falas que remetem ao próprio corpo ou ao da criança, podem acarretar em sentimentos e pensamentos negativos. Por esse motivo, todo cuidado é pouco antes de pronunciamentos dirigidos às crianças ou perto delas.

A boa imagem corporal na infância e a escola

Nas escolas esse conceito de imagem corporal está muito relacionado à construção da identidade, dos relacionamentos intrapessoais e interpessoais e é por isso que esse fator é não só extremamente importante, mas também um dos maiores desafios da educação na atualidade.

Imagem corporal na infância

Se o aluno estiver satisfeito com o próprio corpo, isso tende a aumentar a autoestima e minimizar comportamentos inadequados. Essas crianças também se tornam mais positivas e têm um melhor convívio com os amigos. Esse cuidado reduz inclusive o bullying porque cada um começa a aceitar melhor a diferença do outro e a gostar de si como é.

Gostaria de deixar a mensagem para que tomemos cuidado com nossos pronunciamentos, principalmente com as crianças que estão em formação, desenvolvendo seu corpo e ao mesmo tempo outros importantes aspectos sociais, cognitivos e emocionais. E isso serve para os adultos também, cada um de nós deve se aceitar, se enxergar, ter uma percepção positiva de si e atitudes que preservem o próprio corpo. Que os cuidados tomados sejam em relação ao bem-estar, à qualidade de vida e à saúde e não para atingir o que não somos e nem deveríamos ser.

Agradeço e espero ter te inquietado um pouquinho em relação à importância da imagem corporal positiva em nossas vidas e na das crianças e adolescentes com as quais convivemos e, de certa forma, participamos direta ou indiretamente de sua formação/educação.

Fraterno abraço!

Referências:

Bardim, L. (2010). Análise de Conteúdo (L. A. Rego, & A. Pinheiro, trad.) Lisboa: Edições 70. (Obra original publicada em 1977).
Cash, T. F., Smolak, L. (2011). Body Image: A Handbook of Science, Practice, and Prevention (2 ed.). New York: The Guildford Press.
Ferreira, M. E. C, Castro, M. R., & Morgado, F, F. R, (2014), Imagem Corporal: reflexões, diretrizes e práticas de pesquisa. Juiz de Fora, MG: Ed. UFJF.
Mccabe, M. P., & Ricciardelli, L. A. (2005). A longitudinal study to explain strategies to change weight and muscles among normal weight and overweight children. Appetite, 45(3), 225-234.

Autora:

Flávia Cipriani
Supervisora de Ensino - IESPE
Mestre em Psicologia pela UFJF | Supervisora e Coordenadora de cursos de pós-graduação em Educação no IESPE | Consultora Educacional | Licenciada e Graduada em Letras e Pedagogia | Especialista em Gestão/Inspeção Escolar pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/PUC).

Cursos de pós-graduação e extensão em Educação

Compartilhe!

Deixe um comentário

Cart Item Removed. Undo
  • No products in the cart.
Tem interesse? Clique aqui Insira o seu endereço de e-mail abaixo que entraremos em contato assim que as matrículas forem abertas.
E-mail Não iremos compartilhar o seu endereço de e-mail com ninguém.