7 passos para a manobra de desengasgo em lactentes

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter

Aprenda a realizar a manobra de desengasgo seguindo as instruções de enfermeiros

Um dos procedimentos mais importantes do Atendimento Pré-Hospitalar e Urgência e Emergência é a manobra de desengasgo em lactentes (recém-nascidos de 28 dias até 1 ano de idade). Essa faixa etária engasga geralmente por líquidos ou alimentos pastosos e, em alguns poucos casos, com objetos mais rígidos que foram encontrados no chão.

O profissional que vivencia o trabalho na rua e/ou na regulação pode constatar que essa intercorrência é bastante comum, especialmente com mães de primeira viagem. A mãe muitas vezes fica desesperada de ver o filho naquela situação, mas só de segurá-lo de cabeça para baixo (com o cuidado devido) a desobstrução já é facilitada. Não à toa, a gravidade é o segredo desse procedimento que vou abordar hoje e que pode ser aplicado por profissionais e leigos.

Falando em procedimentos, vale a pena conferir o que já foi dito aqui no Blog sobre o método START, a utilização do DEA, o funcionamento do KED e outras abordagens e ferramentas importantes para atendimento na área, inclusive para o trabalho no SAMU.

Manobra de desengasgo em lactentes

Confira o vídeo que fizemos demonstrando a manobra de desengasgo em lactentes e leia o passo a passo abaixo:

O primeiro passo é sempre saber identificar o que está acontecendo com o paciente: se o bebê está tossindo, se debatendo bastante e não consegue chorar direito (principalmente se acabou de ser alimentado ou tomou água), podemos concluir que ele está engasgando. Nesse caso, siga as instruções abaixo:

1- Coloque os dedos na mandíbula do lactente com o braço apoiado no torso do bebê. Nós não seguramos na parte mole da garganta, pois isso pode obstruir ainda mais a via aérea desse lactente.

Manobra de desengasgo em lactentes
Passo 4: dê cinco batidas nas costas da do lactente

2- Posicione o lactente de forma que ele fique de cabeça para baixo, com o corpo sustentado pelo seu antebraço e a mandíbula apoiada nos seus dedos.

3- Após certificar que ele está firme e seguro em seu braço, incline o lactente para baixo, apoiando o seu cotovelo na sua coxa para garantir firmeza. Só essa manobra já vai drenar bastante esse líquido ou semi-sólido.

4- No alto das costas do lactente (entre os ombros) dê 5 pequenas batidas, direcionando a mão para frente. É preciso ter cuidado com a intensidade, mas ela precisa ser forte para garantir o resultado.

5- Gire o lactente, sempre mantendo a cabeça dele para baixo, na inclinação anterior. Isso é importante, pois suspender o bebê irá dificultar novamente a descida do objeto pela gravidade, sendo necessário reiniciar os esforços de desengasgo. Para um movimento correto, posicione os dedos na ossatura da nuca. Segurando o corpo com o braço, gire de forma que o lactente fique apoiado no outro braço.

Manobra de desengasgo em lactentes
Passo 6: faça 5 compressões no tórax da criança

6- Na região central do tórax da criança (entre os mamilos), faça cinco compressões utilizando os dedos indicador e médio.

7- Repita o processo até a saída do líquido ou objeto ingerido. Se a criança chorar, é um bom sinal, pois significa que está entrando ar no pulmão e que as vias aéreas estão desobstruídas. Isso é tão importante que a regulação do SAMU já orienta o familiar da criança pelo telefone a realizar a manobra e, quando as vias estão desobstruídas, nós conseguimos escutar pela ligação o choro do bebê.

A manobra de desengasgo em lactentes é de grande importância, pois sem ela o líquido pode chegar no pulmão, podendo complicar seu quadro de saúde. Mas caso isso aconteça, também conseguimos reverter o quadro! Na próxima oportunidade vamos detalhar a assistência correta nessa situação e o procedimento ideal no caso de Parada Cardiorrespiratória.

Autores:

Erika Dornelas
Enfermeira Intensivista e Emergencista
Bacharel em Enfermagem pela Faculdade Estácio de Juiz de Fora-MG (2012) | Enfermeira Intensivista e Emergencista | Tem experiência na área de Urgência e Emergência, com ênfase em atendimento pré-hospitalar e inter-hospitalar| Coordenadora de pós-graduações e extensões IESPE / UniRedentor | Diretora de BLS – oficial pela AHA (American Heart Association).
Marcos Paulo Schlinz
Enfermeiro Intensivista Titulado ABENTI/AMIB
Formado em Enfermagem há 13 anos, sou apaixonado pelo trabalho de enfermeiro intensivista. Foi esse amor que me fez realizar uma especialização em UTI e compartilhar esse conhecimento como Supervisor de Ensino do IESPE/ UniRedentor e Diretor do BLS (Basic Life Support) pela AHA (American Heart Association). Além de atuar desde a formatura como enfermeiro do CTI Geral de Adultos da Santa Casa/JF, uma grande escola profissional e de vida, hoje sou membro da diretoria do Departamento de Enfermagem da AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) e da diretoria da ABENTI (Associação Brasileira de Enfermagem em Terapia Intensiva).

Urgência e EMergência com Ênfase em Cardiologia

Compartilhe!
Erika Dornelas

Erika Dornelas

Posts relacionados

Turma Indisponível We will inform you when the product arrives in stock. Please leave your valid email address below.
V Encontro Educadores

Matrícula

Planos de pagamento