Prescrição de exercício e câncer – parte 2

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter

Na segunda parte do post sobre Prescrição de Exercício e Câncer, Raphael Soares fala sobre alguns efeitos do câncer e dá dicas de como minimizá-los através da atividade física

 

Olá, como vai?

 

Estamos dando sequência ao nosso post sobre prescrição de exercício e câncer aqui no Blog do IESPE.

 

Na primeira publicação sobre o assunto, nós falamos sobre esta patologia, que segue como uma das maiores causas de mortes no Brasil e no mundo: o conceito, alguns fatores de risco e quais os tipos de câncer, apresentamos dados epidemiológicos e começamos a falar do paciente com câncer. Se você quiser ler o post Prescrição de Exercício e Câncer – Parte 1 na íntegra clique aqui.

 

Nesse post vamos falar as consequências para a saúde do paciente com câncer, os resultados nocivos para o aparelho locomotor (principalmente nos músculos), a aplicabilidade dos exercícios em cada fase do tratamento, a prescrição do treino de acordo, além de dicas de como minimizar alguns efeitos da doença em nosso cliente/paciente.

 

 

Fadiga no paciente com câncer

 

A fadiga relacionada ao câncer é uma sensação subjetiva de cansaço persistente associada ao tratamento da doença, que não é proporcional à atividade recente e que interfere no funcionamento normal do corpo.

 

Essa fadiga é multifatorial, sendo assim, temos que levar em consideração qual o grau de evolução da doença, qual órgão ou região do corpo o câncer está se desenvolvendo, o estado emocional do paciente, dores, efeitos colaterais dos tratamentos medicamentosos, entre outros.

 

É normal vermos uma diminuição repentina na quantidade de atividade física praticadas pelos doentes, pois esses fatores citados acima os desencorajam a praticar exercícios, o que é muito ruim para eles, já que observamos um ciclo vicioso entre esses fatores e o inatividade ou sedentarismo. Por exemplo, quanto mais o paciente sente dor, menos ele se mexe, o que é compreensivo, mas tendo conhecimento funcional e fisiopatológico, como profissional capacitado, sei que em determinados casos, quando o paciente volta a fazer exercícios, temos uma diminuição das dores, o que reflete diretamente no humor, na mobilidade, autoestima, e etc., ou seja, trás um benefício enorme ao tratamento e ajuda a manter uma boa qualidade de vida durante a evolução do tratamento da doença.

 

 

Fraqueza muscular

 

Ilustração mostra a renovação da musculatura em indivíduos comuns.
Ilustração mostra a renovação da musculatura em indivíduos comuns.

Seja qual for o contexto clínico, a inatividade prolongada leva à perda de massa muscular (já falamos um pouco sobre isso no post O Músculo e Suas Estruturas, clique aqui para ler.

 

Em pessoas saudáveis, podemos observar uma perda a partir de uma semana de imobilização e até 20% de diminuição do volume da musculatura. Juntamente com essa perda de massa muscular, uma  consequente diminuição da força.

 

Em indivíduos comuns, o esquema ao lado nos mostra como mantemos em equilíbrio e manutenção da nossa musculatura. A síntese proteica é responsável pela manutenção das funções de nossas células e pelo aumento do volume da musculatura que é resultado do anabolismo. A taxa de proteólise (quebra de proteína) mantem-se em equilíbrio com a taxa de anabolismo.

 

prescricao-de-exercicio-e-cancer-00
Ilustração mostra o hipercatabolimo, comum em indivíduos com câncer.

Em pacientes com câncer, podemos observar uma diminuição de até 80% da massa muscular, causada por diversos fatores.

 

Fatores que interferem na perda de massa muscular:

 

  • Idade dos pacientes – quanto mais idoso, maior é a perda muscular causada pela sarcopenia, ligada ao envelhecimento;
  • Infecções e processos inflamatórios sistêmicos – quanto maior o processo inflamatório, maior será a perda de massa muscular;
  • Anorexia – síndrome da anorexia-caquexia (SAC) é uma complicação frequente no paciente portador de uma neoplasia maligna em estado avançado. Caracteriza-se por um intenso consumo dos tecidos muscular e adiposo, com consequente perda involuntária de peso, além de anemia, astenia, balanço nitrogenado negativo, devido alterações fisiológicas, metabólicas e imunológicas;
  • Tratamento medicamentoso – corticóide e quimioterapia são extremamente deletérios à musculatura;
  • Fraqueza muscular – produto de todos os outros fatores que causam perda muscular e que em muitos casos é agravada pela inatividade do paciente.

 

 

Exercício físico e reentrenamento

 

O exercício pode, e deve, estar presente na prevenção e no tratamento do câncer. Penso que não resta dúvidas sobre as possibilidades de ajudar na prevenção, não há muito o que ponderamos, pois a literatura científica vem falando sobre isso há um bom tempo.

 

Courneya et al. publicaram e 2001 um estudo que apresenta a utilização do exercício físico durante toda a evolução da doença que podemos ver na figura abaixo:

 

prescricao-de-exercicio-e-cancer-01

 

Mas e aí, o que acontece durante o tratamento?

 

Pois bem, vamos dividir em dois momentos: O primeiro, onde o indivíduo já está doente, mas ainda não iniciou o tratamento médico que vamos chamar de pré-tratamento e, o segundo, quando ele está de fato participando de diversas terapias para combater o avanço da doença e a busca da cura que chamaremos de tratamento.

 

 

Pré-tratamento

 

Durante esse período, podemos utilizar o treinamento para ajudar o paciente a se preparar para a terapia. Normalmente ele acontece num estágio menos avançado da doença, como, por exemplo, a partir do momento que descobre a patologia, mas o paciente ainda não desenvolveu todos os sintomas.

 

Temos que pensar em alguns pontos:

 

  • Aumentar a capacidade física (força / endurance) – ao melhorar essas qualidades físicas os indivíduos conseguem guardar sua forma física por mais tempo e, principalmente, sua autonomia;
  • Preparação ao tratamento – o tratamento do câncer pode conter muitos fatores causadores de efeitos colaterais, como, por exemplo, a perda de musculatura causada pelos remédios. Se conseguirmos fazer com que o paciente inicie o tratamento numa melhor forma física, essa perda será mais lenta, consequentemente, conseguimos guardar mais autonomia e mais força;
  • Testes físicos – os testes físicos nos dão valores de comparação para saber com o paciente está evoluindo e principalmente durante o tratamento;
  • Impacto psicológico – o exercício pode ajudar na manutenção em níveis mais baixos de estresse e de depressão, minimizando o impacto da doença.

 

 

Tratamento

 

Até aqui conseguimos ver uma gama de coisas que acontecem com o indivíduo durante a evolução da doença e, pensando em tudo isso, podemos trabalhar o exercício físico para promover os seguintes pontos:

 

  • Lutar contra os efeitos secundários do tratamento – um exemplo que temos falado bastante nesse post é a busca na manutenção da massa muscular dos pacientes e fica claro que sem o exercício criamos um círculo vicioso entre sintomas e o sedentarismo; vale lembrar que o exercício físico tem um papel fundamental na manutenção do sistema imunológico, sendo assim, se bem trabalhado, o exercício pode ajudar por exemplo no surgimento de doenças secundárias como a gripe, devido a baixa sofrida pelo organismo no sistema de proteção do corpo;
  • Manter o melhor nível de atividade possível – é muito importante manter os níveis de exercícios num nível ótimo e respeitando cada fase do tratamento;
  • Melhora da qualidade de vida (independência) – o exercício ajuda a manter a autonomia do doente. Quando eu falo de autonomia, me refiro não somente à parte motora, como, por exemplo, tomar banho, trocar a roupa e outros mas também em aspectos cognitivos que podem aparecer durante o tratamento.

 

Todos esses fatores são resultados das adaptações diretas e indiretas causadas pelo exercício.

 

 

Prescrição do exercício

 

De acordo com o American College of Sport Medicine (ACSM), o exercício pode ser prescrito através de diferentes estratégias, desde a detecção, tratamento e cura do paciente.

 

Entre eles podemos dar destaques às seguintes possibilidades:

 

  • Eletroestimulação – quando o paciente não apresenta a possibilidade de executar movimentos, podemos utilizar a eletroestimulação para provocar o trabalho muscular, estimulando o aumento da síntese proteica e desacelerando o processo de perda de massa muscular, bem como auxiliar na recuperação da massa perdida durante o tratamento;
  • Treinamento contra resistência – a musculação tem papel fundamental durante o tratamento, não só para manter e recuperar a massa muscular e, consequentemente, a força, mas auxilia na manutenção da imunidade do paciente e em alguns casos a diminuição das dores;
  • Exercícios funcionais – devemos prescrever os exercícios analisando diretamente a vida cotidiana dos pacientes para garantir um melhor nível de autonomia;
  • Esporte – podemos utilizar esportes de baixo impacto que garantam não somente adaptações benéficas ao organismo, mas também cumpram o papel social de trazer o paciente para ter contato com a sociedade;
  • Reentrenamento cardiovascular – durante o tratamento há uma perda da capacidade não só cardíaca, mas também pulmonar, e os exercícios ajudam diretamente na melhora de ambos os dois sistemas.

 

 

Treino de musculação

 

Antes de iniciar o treino é preciso avaliar o nível de força do paciente, pois todo o controle de carga é feito em cima do valor achada no teste de 1RM, e esse valor deve ser ajustado sempre que necessário para garantir as adaptações necessárias.

 

O ACSM indica o seguinte modelo para prescrição de exercícios contra resistência para pacientes com câncer:

 

  • Iniciar com 3 séries à 12RM durante 2 semanas;
  • Após – 3 séries à 10RM durante 2 semanas;
  • Após – 3 séries à 8RM durante 3 semanas;
  • Após – 3 séries à 6RM durante 6 semanas;
    • Os treinos devem ser repetidos 3 vezes por semana;
    • 3 exercícios de membros superiores e inferiores.

 

 

Treino funcional

 

O trabalho focado na funcionalidade do indivíduo deve levar em consideração a autonomia na vida cotidiana, ou seja, todos os exercícios devem se aproximar ao máximo dos gestões motores que o indivíduo executa durante o dia, como, por exemplo, levantar e sentar numa cadeira ou na cama.

 

  • Marcha / escada – devemos fazer o paciente andar e, se possível, subir e descer escadas, porém quando isso não é possível, podemos desmembrar esses gestos motores e trabalhar separadamente cada fase do movimento até conseguir juntar tudo e garantir a execução do exercício por completo;
  • Transferências – o simples gesto de trocar de posição numa cama ou em alguns casos sair de uma cadeira de rodas para uma cama deve ser trabalhado para melhorar as qualidades motoras e a força do paciente, possibilitando com que ele consiga fazer da melhor forma possível sem correr risco de queda, por exemplo, não estando dependente de uma ajuda externa.

 

Todo o treinamento funcional pode ser executado através de exercícios, mas não se esqueça, todas as adaptações são específicas, ou seja, para a carga, o gesto, a velocidade e o angulo de execução do exercício, sendo assim, faça uma análise bem completa do que o paciente realmente está precisando e seja criativo em buscar formas para garantir essas adaptações.

 

 

Esporte

O esporte é uma ótima possibilidade de trabalharmos com os pacientes de forma eficaz e lúdica.

 

Se houver possibilidade, dê preferência a esportes praticados em grupo. A dinâmica de grupo é muito importante para sociabilização do paciente, otimizando os resultados do combate ao estresse e à depressão, auxiliando também no aumento da confiança em si mesmo e nas pessoas que estão ao redor durante o período do tratamento.

 

 

Reentrenamento cardiovascular

 

Para o controle do exercício aeróbio é muito interessante que o paciente passe por um teste de VO2max; dessa forma obtém-se todos os valores necessários para os cálculos das intensidades durante as fases do treinamento. Mas caso não haja a possibilidade, podemos utilizar aquela velha formula conhecida por todos nós para estimar a frequência cardíaca máxima (FCmax = (220 – idade) – 10%).

 

O ACSM indica o seguinte modelo para prescrição do treino aeróbio para pacientes com câncer:

 

  • Iniciar com frequência de repouso (Fcrep) + 50% à 60% de 1 à 3 semanas;
  • Evoluir para Fcrep + 70% à 80%;
  • 3 à 5 vezes por semana;
  • A duração do treino é em função do paciente, ou seja, é determinado por ele e de acordo com a condição diária;
  • Podemos trabalhar de forma contínua ou em interval training;
  • O controle da intensidade deve ser feito através da escala de Borg (6-7).

 

 

Contra indicações

 

  • Estado físico muito alterado;
  • Impossibilidade total de movimentar-se;
  • Infecções / febre;
  • Anemia;
  • Trombose;
  • Caquexia severa (35% pré-treinamento);
  • Distúrbios de função cardíaca;
  • Descompensações / deficiência respiratórias.

 

 

Então, pessoal, chegamos ao final de mais um post. Dessa vez, falamos sobre a prescrição do exercício e o câncer. Um tema que, aos poucos, vem conquistando a atenção de muitos profissionais de educação física, tanto na pesquisa, quanto no mercado. Espero que eu tenha contribuído para somar aos seus conhecimentos prévios sobre o assunto.

 

Ficou alguma dúvida? Tem algo que não entendeu? Gostou? Então deixe seu comentário aqui embaixo pois terei o maior prazer em responde-lo.

 

Um grande abraço e até a próxima.

 

Escrito por:
Raphael Soares

 

 

Saiba mais
Version 1.2006, 04-27- 06 © 2006 National Comprehensive Cancer Network, Inc.
Cancer related fatigue & anemia: American Cancer society & National comprehensive cancer network 2005.
Dewys WD, Begg C, Lavin PT, et al.Prognostic effect of weight loss prior to chemotherapy in cancer patients. Eastern Cooperative Oncology Group. Am J Med 1980;69:491-497.
Inui A. Cancer anorexia-cachexia syndrome: current issues
in research and  management. CA Cancer J Clin. 2002 Mar-Apr;52(2):72- 91.
Inui A. Cancer anorexia-cachexia syndrome: current issues
in research and  management. CA Cancer J Clin. 2002 Mar-Apr;52(2):72- 91.
European Journal of Cancer 42 (2006 ) 31-41.
American Cancer Society Guidelines on Nutrition and Physical Activity for Cancer Prevention: Reducing the Risk of Cancer With Healthy Food Choices and Physical.
K.S Courneya & C.M Friendereich
Framework PEACE: An Organizational Model for Examining Physical Exercise Across the Cancer Experience.
National comprehensive Cancer Network: Practice Guidelines in Oncology-v.1.2006 D.A Galvao, R.U Newton: journal of Clinical Oncology V 23 ; No 4; Féb 1 2005.
Compartilhe!
Raphael Soares

Raphael Soares

Graduação em Educação Física (UFJF). Pós-Graduado em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais pelo Centro Universitário Estácio de Sá. Mestrado em Master of Science (MSc) in Human Movement and Sports Sciences, Universidade de Lausanne (Suíça).

2 comentários em “Prescrição de exercício e câncer – parte 2”

Os comentários estão encerrado.

Posts relacionados

Turma Indisponível We will inform you when the product arrives in stock. Please leave your valid email address below.

Aproveite para pegar este material exclusivo!

Baixe o e-book gratuito sobre músculos e suas adaptações ao treinamento

Matrícula

Planos de Pagamento