Coordenadores IESPE são avaliadores em simulação de incêndio na Santa Casa

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter

Intrutores Somiti acompanharam desempenho do Corpo de Bombeiros e equipe do hospital

Durante a Simulação de incêndio que aconteceu na terça-feira (23), na Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, estavam os coordenadores e instrutores SOMITI/IESPE Marcos Schlinz e Arindha Rossignoli, que participaram do processo como avaliadores voluntários.

Intrutora Arindha Rossignoli
Arindha Rossignoli foi uma das avaliadoras da simulação de incêndio

A simulação foi feita através de um cenário montado no 5° andar do hospital. Para dar realidade ao incêndio, foram utilizados dispositivos que simulavam fogo e fagulhas, além de máquinas de fumaça e iluminação especial. O objetivo era saber como a Brigada de Incêndio e demais profissionais do Corpo de Bombeiros e da Santa Casa executam as ações necessárias em casos de emergência.

O grupo avaliado era formado por funcionários efetivos do hospital, como os das áreas administrativa, financeira, entre outros, juntamente com os profissionais da saúde que trabalham na Santa Casa e o Corpo de Bombeiros. Na simulação, foram retirados 23 vítimas e 8 acompanhantes que eram atores e estudantes das áreas de Medicina e Enfermagem que se voluntariaram.

“A intenção era exatamente essa: ver como as pessoas reagem em uma simulação de crise”, conta o supervisor de ensino, Marcos Schlinz.

A experiência

O cenário foi dividido em três: a área fria, a área morna e a área quente. A chamada área morna era para onde os bombeiros encaminhavam os pacientes e a equipe médica fazia os atendimentos necessários. Em seguida, caso estivessem bem, eram levados para a área fria (do lado de fora do hospital) ou para a área de emergência, caso precisassem de um atendimento mais urgente.

Bombeiros
Corpo de Bombeiros durante simulação de incêndio.

O incêndio se iniciou em uma das enfermarias e, então, os enfermeiros acionaram a brigada de incêndio para que ela começasse a combater o fogo, remover as vítimas em estado menos grave e chamar a Equipe de Bombeiros para o local. Durante o processo, o incêndio foi piorando e os Bombeiros chegaram, tomando o controle da situação com um grupo concentrado em combater o incêndio, e outro, em retirar todas as vítimas, inclusive os pacientes em estado mais grave.

“Tinha queda de parede e atores mesmo, fantasiados e até com sangramento. E de acordo com o que ia acontecendo, eles iam sobrevivendo ou vindo a óbito”, relata Marcos.

Simulação de Incêndio Santa Casa
Profissionais de saúde realizando atendimento na área morna da simulação de incêndio.

Avaliação e Aprendizado

A experiência foi algo inédito tanto para a equipe do hospital que estava presente, quanto para o Corpo de Bombeiros, devido ao fato de estarem acostumados a levarem as vítimas de incêndio para o hospital e não o contrário.

“Eles trabalham com a metodologia americana, que é pegar e levar, e nós, com a metodologia francesa, que é você chegar, tentar tratar, estabilizar para depois levar. Então é muito diferente, a gente tem que entender o papel deles e eles também precisam entender o nosso”, explicou Marcos.

Coordenador Marcos Schilinz
Supervisor de ensino e instrutor SOMITI foi avaliador durante simulação de incêndio.

Devido a isso, aconteceram alguns deslizes no desenrolar da situação. E, por isso, nossos professores frisaram a importância do evento para que seja feito o aperfeiçoamento do trabalho conjunto.

Por outro lado, nossos professores pontuaram como a equipe de enfermagem estava motivada e o destaque, em muitos momentos, da equipe de Bombeiros. O enfermeiro intensivista Marcos conta, ainda, como o evento foi rico em aprendizagem para todos, graças ao momento após o término da simulação, em que os avaliadores e profissionais puderam expor todos os erros e parabenizar por todos os sucessos.

“Foi sensacional. O treinamento, a simulação… foi muito importante para a Instituição e para os profissionais. Foi rico, foi ‘milionário’!”.

Devido aos resultados da simulação, Marcos conta que fará parte da equipe responsável por providenciar melhorias para a Santa Casa: “Nós vamos fazer um relatório. Eu tenho um milhão de anotações para a gente propor algumas melhorias e treinamentos para a Santa Casa como um todo e, principalmente, a criação de protocolos”, disse Marcos.

Além disso, nosso coordenador relata que a partir dessa simulação, as turmas de Pós de Urgência e Emergência e o curso de APH – Atendimento Pré-Hospitalar, devem ficar atentas para novos projetos que estão por vir.

Compartilhe!
IESPE

IESPE

Pós e Extensão

Deixe um comentário

Posts relacionados

Tem interesse? Clique aqui Insira o seu endereço de e-mail abaixo que entraremos em contato assim que as matrículas forem abertas.
E-mail Não iremos compartilhar o seu endereço de e-mail com ninguém.

Matrícula

Planos de Pagamento

  • Certificado