Qual a importância do trabalho interdisciplinar para a saúde dos pacientes?

Profissionais de Nutrição, Educação Física e Fisioterapia relatam como deve ser o trabalho interdisciplinar na saúde de seus pacientes

A atuação de profissionais de saúde é com certeza necessária para a qualidade de vida da população e, por isso, a especialização e estudo são tão importantes. Mas como deve ser a interação entre as diversas áreas para garantir o melhor resultado nos pacientes?

Quem responde essa pergunta são profissionais de renome em Nutrição, Educação Física e Fisioterapia que constataram que o trabalho interdisciplinar, quando realizado da maneira correta, pode sim fazer a diferença no atendimento.

O que dizem os profissionais de saúde?

Fernanda Gargiulo – Nutrição

Os profissionais da área de saúde devem agir sempre em conjunto, apoiando e entendendo os motivos das condutas, sem pré-julgamentos e sempre em contato direto para avaliar o que é melhor para cada indivíduo, respeitando as diferentes áreas. Mas sem esquecer que o paciente não é uma cabeça, um braço, uma perna, um pâncreas… e sim, um indivíduo!

 Um dos momentos mais marcantes relacionado ao trabalho multidisciplinar foi quando o trabalho de uma psicóloga foi capaz de identificar o gatilho para a compulsão alimentar de uma paciente. O simples fato de entender o motivo da vontade de comer sem controle a fazia se distanciar da compulsão e, a partir daí, ela teve muito sucesso na perda de peso e na busca por uma alimentação mais saudável e equilibrada.

Santiago Paes – Educação Física

“Cada um no seu quadrado” não representa a integralidade e sistematização de uma proposta interdisciplinar. Entretanto, na hora de atuação propriamente dita, cada profissional intervém de acordo com seu conhecimento e prestação do serviço.

Em minha experiência profissional, uma situação me marcou. Ao orientar uma paciente sobre os benefícios da caminhada de  intensidade moderada, como a redução de sua pressão arterial, surpreendentemente ela me respondeu que já sabia. Quando indaguei o porquê de não estar praticando o exercício físico, ela me respondeu que a pensão que recebia era insuficiente para seu transporte, alimentação de seus dois filhos detentos e para sua própria alimentação, que consistia em um café preto na parte da manhã e dois miojos, um no almoço e um no jantar.

Encaminhei-a imediatamente para o atendimento com a profissional de serviço social e, após discutir o caso com toda a equipe interdisciplinar de atenção secundária à saúde, achamos mais prudente mobilizarmos os esforços para a resolução da principal demanda para a paciente naquele momento.

Raphael Soares – Educação Física

Toda e qualquer informação que possa completar ou nos informar de algo que pode alterar os parâmetros de controle do exercício deve ser conhecida. Principalmente para garantir o sucesso do tratamento e minimizar os riscos que uma atividade física pode causar a um determinado quadro de patologia de um cliente/paciente.

Na verdade, não deve haver interferência direta no trabalho de outro profissional e sim um trabalho em conjunto. O limite é aquele colocado por cada Conselho profissional e pelo código de ética que rege cada profissão. Quando percebemos algo durante o treino, isso deve ser levado ao conhecimento de toda a equipe  e o caso clínico discutido abertamente, de forma que cada um contribua com conhecimento e condutas que devem se completar e, principalmente, se respeitar.

Daniel Mozzer – Fisioterapia

A experiência clínica nos mostra que uma patologia dificilmente tem uma origem unifatorial. Portanto, a interação de todas as áreas faz com que o processo de tratamento seja mais rápido e eficiente.

Não vejo em um profissional sério e competente o interesse em “invadir” áreas afins de outros colegas. Esse conhecimento de até onde vai sua atuação condiz com a ética profissional de cada um e também com a sabedoria de que a interação gera resultados exponenciais para a resolução da afecção.

Equipe interdisciplinar não é competição, mas sim um conjunto de indivíduos de áreas afins e que se completam com um único objetivo de desenvolver seu trabalho da melhor maneira possível, visando a melhora de seu cliente.

 

Como é o trabalho interdisciplinar na prática?

O trabalho interdisciplinar de qualidade pode ser aplicado pelos  profissionais e o conhecimento compartilhado de forma ética para alcançar os melhores resultados para o paciente. No caso do IESPE, essa característica está presente na interdisciplinaridade do conteúdo e na presença de especialistas de diferentes áreas nas aulas teóricas e práticas dos cursos.

Na pós-graduação em Nutrição Clínica e Desportiva, por exemplo, os nutricionistas tiveram a oportunidade de aplicar seus conhecimentos no ambiente de academia, considerando o efeito da atividade física na glicemia. A tarefa incluiu a análise da glicemia capilar de acordo com a intensidade do exercício, que foi constatada da forma mais dinâmica possível: as próprias alunas e professoras se exercitaram na academia Fibratech para depois avaliarem os resultados.

Para garantir que as atividades físicas estavam sendo realizadas com segurança e na correta intensidade, a prescrição e acompanhamento dos exercícios foi realizada pelo educador físico e supervisor de ensino do IESPE Raphael Soares, juntamente com profissionais da Fibratech. Já na área da Nutrição, o processo foi todo supervisionado pela nutricionista esportiva e coordenadora Fernanda Gargiulo e pela nutricionista e professora Denise Quintão, que também participaram ativamente da aula prática.

 

Alunos analisam a glicemia (foto 1) e são auxiliados por profissionais de educação física na prática de exercícios físicos (fotos 2 e 3)
Compartilhe!
Tem interesse? Clique aqui Insira o seu endereço de e-mail abaixo que entraremos em contato assim que as matrículas forem abertas.
E-mail Não iremos compartilhar o seu endereço de e-mail com ninguém.
  • Certificado