A deficiência de vitamina D em pacientes críticos na UTI

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter

Entenda a realidade da UTI e promova a suplementação adequada

A vitamina D é comumente reconhecida pela Nutrição Hospitalar e demais áreas da saúde por sua importância na regulação do metabolismo do cálcio e embora denominada vitamina, trata-se de um hormônio. Adequados níveis de vitamina D são dependentes da síntese cutânea pela exposição à luz solar, mesmo com a correta ingestão alimentar ou suplementação nutricional.

Funções importantes também são atribuídas à vitamina, entre elas: resposta imunológica, imunomodulação (através da regulação da inflamação), citocinas, proliferação celular, diferenciação celular e apoptose; além disso, atua na homeostase do cálcio, do magnésio, do fosfato e da clássica formação dos ossos, influenciando mais de 2.000 genes no corpo humano. Essas funções despertam o o interesse em estudá-la em pacientes críticos.

Estudos sobre a vitamina D em pacientes críticos 

A prevalência de deficiência de vitamina D nesses pacientes,  segundo os estudos de McKinney e sua equipe, variou entre 53,3% a 97,7%, aumentado a deficiência a medida que aumentava o tempo de internação.

Deficiência de vitamina d em pacientes críticos
Em estudos recentes, a deficiência de Vitamina D é associada com a mortalidade em UTI

Vários estudos têm avaliado o impacto da deficiência de vitamina D em pacientes críticos. No que diz respeito à mortalidade, encontraram que foi mais significativa em pacientes com deficiência da vitamina. Foram observados ainda resultados que apresentaram relação inversa entre os níveis séricos de vitamina D e o tempo de permanência em UTI, ou seja,  entre os deficientes a permanência de internação foi maior.

Estudos afirmam que a deficiência de vitamina D é mais frequente nos pacien­tes sépticos, ou naqueles que apresentam choque séptico, disfunção renal.

A necessidade de ventilação mecânica e hemodiálise durante a permanência na UTI foi estatisticamente significante para aqueles com deficiência de vitamina. Além disso, estudos sugerem haver relação entre o aumento da taxa de infecção e deficiência de vitamina. Outros estudos correlacionam a deficiência da vitamina D em pacientes críticos com o desfecho desfavorável na assistência.

Em pacientes que suplementaram vitamina D antes da internação na UTI, sem intenção de verificar possíveis desfechos, a mortalidade hospitalar foi significativamente menor quando comparados àqueles que não receberam a suplementação prévia desse nutriente.

Nutrição Hospitalar

Prática de suplementação e a limitação das UTIs

No entanto, foi demonstrado nos artigos analisados que não é pratica comum nas UTIs a ocorrência de suplementação de vitamina D.

A American Society for Parenteral and Enteral Nutrition sugere que a suplementação de 200 UI de vitamina D para pacientes hospitalizados é suficiente para normalizar os níveis séricos. Apesar disso, a suplementação é raramente considerada em UTI.

A intoxicação pela vitamina D pode ser um potencial risco em suplementações. No entanto, esse evento só foi observado em pacientes que foram suplementados acima de 40.000 UI. Além disso, de acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a administração de doses excessivas desse nutriente gera remodelação óssea excessiva.

Deficiência de vitamina d em pacientes críticos
Suplementação de Vitamina D deve ser considerada por profissionais na UTI

Podemos entender que existem impactos negativos para o paciente de UTIs com deficiência de vitamina D, entre elas o aumento da morbimortalidade decorrente de alterações no metabolismo da glicose e cálcio e/ou disfunção das células imunológicas e endoteliais.

Esses problemas trazem como consequência a incapacidade de montar uma resposta à injúria lesão ou infecção, embora ainda faltem mais estudos sobre esse tema considerando o impacto de outros fatores como a própria doença, que podem também afetar a mortalidade e comorbidade dos pacientes.

Na prática, algumas limitações devem ser enfrentadas, entre elas a impossibilidade desses pacientes serem expostos à luz solar, da composições das dietas oral, enteral ou parenteral quanto ao conteúdo limítrofe de vitamina D, como também a falta de rotina de suplementação dessa vitamina nesses pacientes e o próprio manejo da assistência nutricional nos pacientes da UTI.

Conclusão 

Diante disso, é importante pontuar a necessidade de se manter na equipe de assistência multidisciplinar profissionais, entre eles nutricionistas habilitados e especializados, para dar seguimento às avaliações nutricionais e às tarefas de apontar as necessidades nutricionais do paciente crítico. Esses especialistas devem também incluiro na rotina da assistência nutricional o protocolo de avaliação e tratamento da deficiência de vitamina D.

Autor:

Augusto Gonzalez
Nutricionista
Graduado em Nutrição pela universidade federal de viçosa UFV | Especialista em Nutrição Clinica pela Universidade São Camilo | Experiência de gerenciamentos de serviços de alimentação e nutrição hospitalar | Capacidade para estruturar SND de hospitais para atender as exigências de órgão acreditadores de excelência e qualidades | Habilidades para orientar protocolos de assistência nutricional de acesso a dietas oral, enteral e parenteral | Conhecimentos para orientar sistema de monitoramentos para eficácia de assistência nutricional hospitalar e de home card | Experiência em docência para estruturar e ministrar cursos e matérias de cursos de graduação e pós – graduação em serviços de alimentação e Nutrição clinica.

Nutrição Hospitalar

Compartilhe!
Augusto Gonzalez Martinez

Augusto Gonzalez Martinez

Deixe um comentário

Posts relacionados

Turma Indisponível We will inform you when the product arrives in stock. Please leave your valid email address below.