A deficiência de vitamina D em pacientes críticos na UTI

Entenda a realidade da UTI e promova a suplementação adequada

A vitamina D é comumente reconhecida pela Nutrição Hospitalar e demais áreas da saúde por sua importância na regulação do metabolismo do cálcio e embora denominada vitamina, trata-se de um hormônio. Adequados níveis de vitamina D são dependentes da síntese cutânea pela exposição à luz solar, mesmo com a correta ingestão alimentar ou suplementação nutricional.

Funções importantes também são atribuídas à vitamina, entre elas: resposta imunológica, imunomodulação (através da regulação da inflamação), citocinas, proliferação celular, diferenciação celular e apoptose; além disso, atua na homeostase do cálcio, do magnésio, do fosfato e da clássica formação dos ossos, influenciando mais de 2.000 genes no corpo humano. Essas funções despertam o o interesse em estudá-la em pacientes críticos.

Estudos sobre a vitamina D em pacientes críticos 

A prevalência de deficiência de vitamina D nesses pacientes,  segundo os estudos de McKinney e sua equipe, variou entre 53,3% a 97,7%, aumentado a deficiência a medida que aumentava o tempo de internação.

Deficiência de vitamina d em pacientes críticos
Em estudos recentes, a deficiência de Vitamina D é associada com a mortalidade em UTI

Vários estudos têm avaliado o impacto da deficiência de vitamina D em pacientes críticos. No que diz respeito à mortalidade, encontraram que foi mais significativa em pacientes com deficiência da vitamina. Foram observados ainda resultados que apresentaram relação inversa entre os níveis séricos de vitamina D e o tempo de permanência em UTI, ou seja,  entre os deficientes a permanência de internação foi maior.

Estudos afirmam que a deficiência de vitamina D é mais frequente nos pacien­tes sépticos, ou naqueles que apresentam choque séptico, disfunção renal.

A necessidade de ventilação mecânica e hemodiálise durante a permanência na UTI foi estatisticamente significante para aqueles com deficiência de vitamina. Além disso, estudos sugerem haver relação entre o aumento da taxa de infecção e deficiência de vitamina. Outros estudos correlacionam a deficiência da vitamina D em pacientes críticos com o desfecho desfavorável na assistência.

Em pacientes que suplementaram vitamina D antes da internação na UTI, sem intenção de verificar possíveis desfechos, a mortalidade hospitalar foi significativamente menor quando comparados àqueles que não receberam a suplementação prévia desse nutriente.

Nutrição Hospitalar

Prática de suplementação e a limitação das UTIs

No entanto, foi demonstrado nos artigos analisados que não é pratica comum nas UTIs a ocorrência de suplementação de vitamina D.

A American Society for Parenteral and Enteral Nutrition sugere que a suplementação de 200 UI de vitamina D para pacientes hospitalizados é suficiente para normalizar os níveis séricos. Apesar disso, a suplementação é raramente considerada em UTI.

A intoxicação pela vitamina D pode ser um potencial risco em suplementações. No entanto, esse evento só foi observado em pacientes que foram suplementados acima de 40.000 UI. Além disso, de acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a administração de doses excessivas desse nutriente gera remodelação óssea excessiva.

Deficiência de vitamina d em pacientes críticos
Suplementação de Vitamina D deve ser considerada por profissionais na UTI

Podemos entender que existem impactos negativos para o paciente de UTIs com deficiência de vitamina D, entre elas o aumento da morbimortalidade decorrente de alterações no metabolismo da glicose e cálcio e/ou disfunção das células imunológicas e endoteliais.

Esses problemas trazem como consequência a incapacidade de montar uma resposta à injúria lesão ou infecção, embora ainda faltem mais estudos sobre esse tema considerando o impacto de outros fatores como a própria doença, que podem também afetar a mortalidade e comorbidade dos pacientes.

Na prática, algumas limitações devem ser enfrentadas, entre elas a impossibilidade desses pacientes serem expostos à luz solar, da composições das dietas oral, enteral ou parenteral quanto ao conteúdo limítrofe de vitamina D, como também a falta de rotina de suplementação dessa vitamina nesses pacientes e o próprio manejo da assistência nutricional nos pacientes da UTI.

Conclusão 

Diante disso, é importante pontuar a necessidade de se manter na equipe de assistência multidisciplinar profissionais, entre eles nutricionistas habilitados e especializados, para dar seguimento às avaliações nutricionais e às tarefas de apontar as necessidades nutricionais do paciente crítico. Esses especialistas devem também incluiro na rotina da assistência nutricional o protocolo de avaliação e tratamento da deficiência de vitamina D.

Autor:

Augusto Gonzalez
Nutricionista
Graduado em Nutrição pela universidade federal de viçosa UFV | Especialista em Nutrição Clinica pela Universidade São Camilo | Experiência de gerenciamentos de serviços de alimentação e nutrição hospitalar | Capacidade para estruturar SND de hospitais para atender as exigências de órgão acreditadores de excelência e qualidades | Habilidades para orientar protocolos de assistência nutricional de acesso a dietas oral, enteral e parenteral | Conhecimentos para orientar sistema de monitoramentos para eficácia de assistência nutricional hospitalar e de home card | Experiência em docência para estruturar e ministrar cursos e matérias de cursos de graduação e pós - graduação em serviços de alimentação e Nutrição clinica.

Nutrição Hospitalar

Compartilhe!

Deixe um comentário

Cart Item Removed. Undo
  • No products in the cart.
Tem interesse? Clique aqui Insira o seu endereço de e-mail abaixo que entraremos em contato assim que as matrículas forem abertas.
E-mail Não iremos compartilhar o seu endereço de e-mail com ninguém.